CBO em Ação

Diabetes pode levar pacientes até à cegueira, alertam os oftalmologistas

Diabetes pode levar pacientes até à cegueira, alertam os oftalmologistas

NOVEMBRO AZUL

Diabetes pode levar pacientes até à cegueira, alertam os oftalmologistas

 

Preocupado com o aumento no número de casos e o pouco conhecimento sobre a doença, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia desenvolve projeto para dar acesso à população a informações sobre diagnóstico e tratamento dessa doença

 

No Brasil, 50% das pessoas com diabetes, em especial os que estão na faixa etária de 55 e 74 anos, não sabem que têm o diagnóstico dessa doença. Esse dado é mais prevalente e proporcionalmente igual entre homens e mulheres, de acordo com o Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa). Para o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), que promove anualmente, em todo o país, mutirões de atendimentos às pessoas com diabetes, essa subnotificação é extremamente preocupante. Isso porque a falta de acompanhamento da doença pode desencadear complicações graves ao paciente, como problemas oculares, a exemplo da retinopatia diabética, que leva à cegueira.

“Com 16,8 milhões de pessoas com diabetes, o Brasil ocupa a quinta posição do ranking mundial, segundo o Atlas da Federação Internacional do Diabetes (IDF, em inglês). Além desse dado alarmante, o brasileiro enfrenta a precariedade do sistema de saúde público e não tem informações sobre prevenção e acesso ao diagnóstico precoce e ao tratamento. Parte significativa da população ainda vive sem ter conhecimento da sua condição. Ou seja, só vai saber que tem diabetes quando aparecer alguma complicação, como lesão da retina”, alerta o presidente do CBO, José Beniz Neto.

Prevalência - Nesse contexto, as mulheres são as mais acometidas, no entanto, o aumento da prevalência da doença nos homens tem sido expressivo. Segundo a série histórica do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) do Ministério da Saúde, 4,6% dos homens e 6,3% das mulheres relataram possuir diabetes em 2006. Em 2018, esses percentuais avançaram para 7,1%, entre os homens, e 8,1%, nas mulheres.  Assim, nesse intervalo, os dados apontam aumento de incidência da doença de 54%, na população masculina, e de 28%, na feminina.

Os números do IDF, divulgados em 2019, também indicam crescimento preocupante do diabetes entre crianças e adolescentes.  Nesse caso, quando há surgimento da doença de forma precoce, o risco de complicações é muito maior. O Brasil é o terceiro país do mundo na prevalência do diabetes tipo 1, entre crianças e jovens, com 51,5 milhões de casos. Ocupa a mesma posição no que se refere em novos registros, com 7,3 milhões, somente atrás de Índia e Estados Unidos. O levantamento traz outro dado preocupante: a elevação de casos relacionados ao tipo 2 da doença junto aos mais jovens, o que antes era considerado comum entre adultos.

Mortalidade – Atrás apenas das doenças cardiovasculares e neoplasias, o diabetes é a terceira causa de óbitos no Brasil. Em 1990, ele ocupava a 11ª causa de morte entre os brasileiros. Devido ao seu caráter silencioso, o diabetes deveria receber atenção prioritária dos gestores públicos e privados de saúde, avaliam especialistas. Na maioria das vezes, ela manifesta sintomas apenas em estágios avançados de comprometimento, fato que contribui para o aumento de suas taxas de mortalidade e morbidade.

Na contramão de outras doenças crônicas não transmissíveis, a taxa de mortalidade do diabetes no Brasil vem crescendo de forma relevante. Saltou de 12,8 mortes por 100 mil habitantes, em 1992, para 28,8 mortes, em 2010. O Nordeste (36,6), Sul (30,6) e Sudeste (28,8) são as regiões com mais casos de óbitos por 100 mil habitantes, seguidas do Centro-Oeste (22,6) e Norte (21,8).

Custos - Além de impactar diretamente o dia a dia dos pacientes, o problema também é crucial para os cofres públicos, em função dos custos associados ao tratamento, que perdura ao longo de toda a vida do diabético. Entre os dez países com maior número de pessoas com diabetes e gastos em Saúde, o Brasil figura em segundo lugar, segundo o Atlas da Federação Internacional de Diabetes. Entre custos diretos e indiretos, em 2014, foram gastos US$ 15,7 bilhões no atendimento de brasileiros com diabetes.

Conforme destaca o presidente do CBO, o diabetes afeta a vida de milhões em função das várias complicações que pode desencadear. Nesse sentido, argumenta, o acompanhamento da saúde ocular tem papel central, visto que as alterações vasculares típicas da doença são mais facilmente detectadas por meio de exames dos olhos.

“O diabetes causa retinopatia e catarata, que podem levar à cegueira se não tratadas a tempo. Além disso, os olhos funcionam como biomarcadores para o diabético. Se há mudanças nos vasos desses órgãos, há probabilidade elevada do paciente desenvolver alterações no coração, rins e membros inferiores”, explica.

Hábitos – Prevalente em idades mais avançadas, sobretudo a partir dos 45 anos, e em pessoas com menos escolaridade, o diabetes também figura entre as dez principais doenças responsáveis por incapacitar os indivíduos ao longo da vida. Nesse sentido, tanto a prevenção quanto o tratamento do diabetes passam pela adoção de um estilo de vida saudável, focado em alimentação balanceada e na prática regular de exercícios físicos.

“O diabetes não tem cura e suas complicações são bastante restritivas, como a cegueira e a insuficiência renal, mas elas podem ser evitadas com o acompanhamento regular do paciente e a adesão a novos hábitos”, complementa o vice-presidente do CBO, Cristiano Caixeta Umbelino.

Entre os fatores de risco para adquirir o diabetes, constam principalmente a obesidade, além da baixa frequência de atividade física, tabagismo, dieta pobre em grãos integrais, castanhas, sementes e frutas, dieta rica em carnes processadas, carnes vermelhas e bebidas açucaradas.

24 horas - Para conscientizar a população sobre a importância de retomar o hábito de fazer exames regularmente e ajudar a recuperar a produtividade, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) promove em 21 de novembro uma maratona de atividades, de modo virtual, com foco na prevenção. O projeto se chama 24 horas pelo diabetes.

Serão entrevistas e palestras com dicas de prevenção. Também serão apresentados depoimentos de pacientes, de artistas e celebridades que enfrentam o diabetes, além de várias reportagens sobre o tema. A ação digital contará com a participação dos usuários das redes sociais, que poderão enviar perguntas, depoimentos e comentários. Interessados poderão também participar de sessões de teleorientação com médicos voluntários.  

Novembro Azul - A estratégia, adotada em função da pandemia de Covid-19, respeita os protocolos de segurança para evitar a contaminação pelo coronavírus e faz alusão ao Novembro Azul, mês que marca o Dia Mundial da Diabetes, celebrado em 14 de novembro. A programação completa das atividades de 21 de novembro, com foco nas mídias digitais, ficará disponível na página do CBO, dedicada ao evento (www.24hpelodiabetes.com.br).

Dentre os pontos ressaltados, está a repercussão que o diabetes traz para a saúde ocular. Cristiano Caixeta Umbelino lembra que a retinopatia diabética é uma das principais causas de cegueira. ”O crescimento da prevalência do diabetes no mundo reforça a urgência de ações efetivas. No Brasil, entre 2006 e 2019, a prevalência de diabetes passou de 5,5% para 7,4%, segundo dados do Ministério da Saúde”, destaca.  

 

Assessoria de Imprensa
Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO)
oftalmologia@360comunicacao.com / (61) 99912-5656


Deixe um comentário

Compartilhar artigo nas redes sociais

Outras publicações

MPMT determina a divulgação da decisão ADPF 131 à Vigilância Sanitária e ao Conselho Brasileiro de Óptica e Optometria CBO em Ação

MPMT determina a divulgação da decisão ADPF 131 à Vigilância Sanitária e ao Conselho Brasileiro de Óptica e Optometria

CBO obtém liminar no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul para impedir atuação irregular de optometrista CBO em Ação

CBO obtém liminar no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul para impedir atuação irregular de optometrista

CBO pede a veículos de comunicação o esclarecimento de publicação equivocada CBO em Ação

CBO pede a veículos de comunicação o esclarecimento de publicação equivocada

Você precisa estar logado para acessar essa página

FALE COM O CBO