Oftalmologia em Notícias

Catarata: cirurgia é a única solução e recupera a visão de forma eficaz

Catarata: cirurgia é a única solução e recupera a visão de forma eficaz

Fonte: Viva Bem Uol

 

Imagine ter de identificar algo ou alguém através um vidro de carro muito sujo ou embaçado. A imagem parece nebulosa e sem cor. É exatamente esta a visão de pessoas com catarata, definida como a perda da transparência do cristalino, uma lente natural que existe no seu olho. Ao se tornar opaca, ela reduz a quantidade e a qualidade da visão. Considerada a maior causa de cegueira tratável em todo o mundo, a catarata se manifesta em homens e mulheres igualmente, inclusive crianças e idosos, sendo mais predominante neste último grupo.

 

Ela pode afetar os dois olhos, ou apenas um deles, tem evolução gradual, e o seu "amadurecimento" se dará depois dos 40 ou 50 anos. Dos 60 aos 69 anos, 70% das pessoas terão catarata. Até o momento, o único tratamento efetivo para o problema é o cirúrgico, e o procedimento é tido como um dos mais seguros em toda a medicina. A técnica utilizada substitui o cristalino por uma lente intraocular que traz de volta a visão normal. Alguns tipos dessas lentes substituem, definitivamente, o uso dos óculos.

O que é catarata? Dentro do seu globo ocular existe uma lente natural chamada cristalino. Com o passar dos anos, ela deixa de ser transparente e torna-se opaca. Assim, dá-se o nome de catarata a toda opacidade do cristalino capaz de provocar perda progressiva da visão. A catarata pode ser parcial ou total, bilateral ou não, e a depender da sua localização e grau de opacidade, pode ter maior ou menor influência na visão.

Por que isso acontece? A causa mais comum da catarata é o envelhecimento. Mas ela também pode ter como origem as seguintes condições:

  • Infecções durante a gravidez - e está associada à nutrição da mãe, infecções como rubéola e toxoplasmose e deficiência de oxigenação decorrente de placenta prévia;

 

  • Problemas nutricionais na gestação - desnutrição;

 

 

  • Traumas - causa mais comum da catarata unilateral entre jovens, é consequente a ferimentos que promovem uma inflamação e induzem a catarata. São exemplos um choque elétrico, uma pancada direta no olho, exposição a radiação ultravioleta, acidente com objeto perfurante, radiação na parte superior do corpo.

 

  • Uso de medicamentos - a doença aparece após o uso contínuo de determinados medicamentos, como os corticoides e anticolinesterásicos.

 

 

  • Determinadas doenças - como a dermatite atópica, o diabetes, inflamação crônica do olho (uveíte).

                                                                       

Saiba reconhecer os sintomas Pérola Grupenmacher Iankilevich, oftalmologista e docente da Escola de Medicina da PUC-PR, diz que o principal sintoma da catarata é a perda gradual da qualidade e da quantidade da visão. "Isso significa que a visão deixa de ser nítida e, mesmo usando óculos, a pessoa percebe que não enxerga como antes", acrescenta a médica. A AAO (Academia Americana de Oftalmologia) indica que você também pode observar as seguintes manifestações:

 

  • Visão embaçada
  • Visão dupla
  • Sensibilidade à luz
  • Problemas para enxergar à noite
  • Necessidade de mais luz para ler
  • Visualização de cores, antes brilhantes, como desbotadas ou amarelas

 

Como o processo de envelhecimento do cristalino começa a partir dos 40 anos, essa mudança se manifesta por meio da dificuldade para a leitura, quadro conhecido como "vista cansada". Nesta fase da vida, o cristalino ainda é transparente e não caracteriza a catarata. Por isso, tal alteração é definida como síndrome do cristalino disfuncional.

 

Quem precisa ficar atento?

A catarata acomete ambos os sexos igualmente, inclusive crianças e idosos, e é mais comum entre estes últimos. No entanto, alguns fatores de risco podem desencadear ou acelerar o seu aparecimento. Confira:

 

  • Ter pais, irmãos ou outros membros da família que tiveram catarata
  • Uso continuado de corticoides (via oral, nasal, colírio etc.)
  • Exposição solar excessiva sem proteção UV
  • Tabagismo
  • Trauma ocular
  • Inflamações repetitivas intraoculares (uveíte).

 

Quando é hora de procurar ajuda?

A catarata não é um tumor que, ao ser detectado, precisa de intervenção imediata. Como não há tratamento que reduza a velocidade do avanço da doença, não há urgência de terapia precoce. Glauco Henrique Reggiani Mello, professor associado da Faculdade de Medicina da UFPR e diretor científico da APO, afirma que o tratamento é uma cirurgia eletiva que acontecerá, mais cedo ou mais tarde, a depender de como o paciente percebe que o problema está atrapalhando a sua vida. Ele exemplifica com os pilotos de avião, cujas visões devem ser as melhores possíveis. Para estes, o procedimento deve ser indicado logo que surjam os primeiros sintomas.

Contudo, o médico adverte: adiar a visita médica por muitos anos tornará a correção da catarata mais difícil.

"O que sabemos é que a cirurgia melhora a qualidade de vida das pessoas e evita, inclusive, quedas, uma grande causa de mortalidade entre os idosos", esclarece o médico. O especialista treinado para avaliar e tratar a catarata é o oftalmologista.

Como é feito o diagnóstico?

Ele é clínico. Isso significa que se baseará na sua queixa, seu histórico de saúde e no exame ocular completo, o que inclui a dilatação da pupila.

Esse exame avalia a sua acuidade visual, as condições da córnea, da íris e outras áreas da parte anterior de seu olho, o que se faz por meio da chamada Lâmpada de fenda. Este aparelho permite visualizar o cristalino. No exame completo, também são investigadas outras alterações no fundo do olho —como glaucoma, diabetes ou degeneração macular— que podem estar associadas à catarata e ainda contribuem para a piora da visão.

Uma vez detectada a catarata, o médico avaliará a necessidade ou não de tratamento. Quando este é o caso, ele ainda deve realizar o exame da biometria —que calcula o grau da lente intraocular que deverá ser implantada.

Como é o tratamento?

O objetivo do tratamento é sempre eliminar a catarata e restabelecer a visão. Isso se faz por meio de um procedimento cirúrgico que promove a troca do cristalino —que é a sua lente natural, por outra artificial, conhecida como lente intraocular. Os médicos se referem a essa cirurgia como facectomia.

Quando não há contraindicação e o olho é saudável, o procedimento permite o implante de lentes monofocais (para longe), e até as mais avançadas multifocais (longe, intermediário e perto) e, por vezes, poderá até corrigir o astigmatismo. Isso significa que, após a cirurgia, muitas pessoas deixarão de usar óculos para sempre.

Quando o quadro é de catarata bilateral, a cirurgia é feita em duas etapas —um olho por vez. A técnica mais utilizada é a facoemulsificação, uma microcirurgia manual que requer anestesia local (colírio) e consiste em fragmentar o cristalino em várias partes: usa-se uma pequena ponteira que vibra em frequência ultrassônica (muito rapidamente).

Na sequência, a lente é aspirada através de um pequeno corte na córnea (cerca de 2mm). A lente a ser implantada entra dobrada pela mesma via e se acomoda em seu devido lugar. Para boa parte dos pacientes, a sutura (dar pontos) será desnecessária porque o corte é tão pequeno que é autosselante. A recuperação é rápida e as atividades podem ser retomadas já depois de uma semana.

 

Praticamente todos os centros de saúde ocular que operam catarata usam essa técnica. O procedimento também é feito pelo SUS. As lentes oferecidas por esse serviço e pelos convênios são as monofocais —que recuperam a visão de longe. Assim, o uso dos óculos para leitura continuará a ser usado. No caso de pacientes com astigmatismo, pode ser necessário uso de óculos para longe e perto, caso sejam utilizadas as lentes monofocais mais simples.

Possíveis complicações

 

José Beniz Neto, presidente do CBO, garante que a cirurgia da catarata é considerada uma das mais seguras, e é também uma das práticas mais realizadas em todo o mundo. A razão para isso é o avanço da medicina e das técnicas hoje utilizadas, o que também reduziu as complicações, hoje consideradas raras. "No passado, o que preocupavam eram as infecções, os sangramentos e a ametropia —o cálculo inadequado da lente a ser utilizada. Atualmente são adotadas práticas profiláticas, como anestesia superficial, uso de colírios antibióticos, o que se soma à melhor tecnologia que permite mais precisão nas lentes", conclui o especialista.

Assim, na maioria das vezes, e a depender das condições de saúde de cada pessoa, os resultados são excelentes em 70% a 80% dos casos, especialmente quando são seguidas as orientações médicas do pós-operatório.

 

Dá para prevenir?

Embora não seja possível prevenir a catarata, você pode colocar em prática medidas que afastam os fatores de risco para essa enfermidade. Confira:

  • Cuide do mais importante sentido do ser humano, a visão, e consulte um oftalmologista a cada 12 meses.
  • Invista no controle da sua saúde. Se você é diabético, mantenha as taxas glicêmicas em equilíbrio.
  • Evite fumar;
  • Use óculos de sol com proteção UV ao se expor excessivamente ao sol;
  • Mantenha uma dieta saudável e variada para garantir o consumo dos nutrientes necessários para a sua saúde;
  • Evite automedicar-se com colírios ou outros medicamentos à base de corticoides

 

Fontes: José Beniz Neto, presidente do CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia) e professor de oftalmologia da UFG (Universidade Federal de Goiás); Pérola Grupenmacher Iankilevich, oftalmologista e docente da Escola de Medicina da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e da Faculdade de Medicina Pequeno Príncipe, preceptora dos serviços de residência médica da Santa Casa de Curitiba e do Hospital Cajuru, Hospital Evangélico Mackenzie e chefe do serviço de oftalmologia do Hospital Infantil Pequeno Príncipe; Glauco Henrique Reggiani Mello, professor associado, preceptor da residência médica da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e diretor científico da APO (Associação (Associação Paranaense de Oftalmologia). Revisão técnica: Glauco Henrique Reggiani Mello,

 

Referências: Diretrizes CFM/AMB Oftalmologia, 2012; Nizami AA, Gulani AC. Cataract. [Updated 2020 Nov 18]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK539699/.... - Veja mais em https://www.uol.com.br/vivabem/doencas-de-a-z/catarata-cirurgia-e-a-unica-solucao-e-recupera-a-visao-de-forma-eficaz.htm?cmpid=cop


Deixe um comentário

Compartilhar artigo nas redes sociais

Outras publicações

CBO estreia série de Podcasts Oftalmologia em Notícias

CBO estreia série de Podcasts

Um terço dos condutores habilitados no Brasil possui algum problema de visão registrado na CNH Oftalmologia em Notícias

Um terço dos condutores habilitados no Brasil possui algum problema de visão registrado na CNH

No Dia Internacional da Mulher, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia alerta para fatores que colocam em risco a saúde ocular da população feminina Oftalmologia em Notícias

No Dia Internacional da Mulher, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia alerta para fatores que colocam em risco a saúde ocular da população feminina

Você precisa estar logado para acessar essa página

FALE COM O CBO