Informativos Jurídicos

Estratégia de plano de saúde que prejudica população e médicos virou alvo de cruzada do Conselho Brasileiro de Oftalmologia

Estratégia de plano de saúde que prejudica população e médicos virou alvo de cruzada do Conselho Brasileiro de Oftalmologia

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) desencadeou nesta semana uma ofensiva jurídica e extrajudicial para impedir o avanço de uma iniciativa que poderá comprometer a assistência a usuários de planos de saúde, no Distrito Federal. O foco do problema reside na estratégia de redistribuição da rede credenciada de atendimento oftalmológico oferecido pela SulAmérica Saúde. Em consequência, a entidade médica impetrou ação judicial, com pedido de liminar, para cessar a medida e aguarda deliberação. Também foram notificados o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-DF); o Ministério Público do DF e a Agência Nacional de Saúde (ANS). O assunto foi levado, ainda, ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

A reação busca reverter condição que passa a vigorar a partir do próximo de 1º de abril (quinta-feira). Pela regra proposta pela SulAmérica, ficou estabelecido que 95% da assistência oftalmológica aos usuários da operadora serão concentrados na rede de clínicas do Grupo Opty, que tem apenas cinco unidades em operação no DF, mantendo apenas 5% dos atendimentos nas demais prestadoras de serviço. Para o CBO, essa medida configura flagrante redução da oferta de atendimento ao consumidor, assim como reserva de mercado para prestadores de serviços, com prejuízo à prevenção e tratamento de problemas de visão. Nessa iniciativa, o CBO conta com o apoio da Sociedade Brasiliense de Oftalmologia (SBrO).

“Essa redistribuição cerceia a liberdade de escolha do usuário do plano de saúde e pode prejudicar, inclusive, tratamentos em andamento”, justifica o presidente do CBO, José Beniz Neto. “No momento em que a assistência à saúde já apresenta tantos gargalos, não podemos admitir que uma empresa privada coloque novas dificuldades de acesso para o paciente, nem o impeça de escolher o médico oftalmologista de sua confiança”.

A entidade está atenta a disseminação de iniciativas como essa para outros Estados, além do Distrito Federal. Nos questionamentos que apresentou, o CBO alerta que a SulAmerica Saúde está estabelecendo, de modo coercitivo, uma prática abusiva de mercado chamada capitation, que fixa o valor de remuneração para o médico e/ou clínica de acordo com o número de beneficiários sob sua responsabilidade.

Este valor é baseado na expectativa de uso dos serviços de saúde e pode ou não ser ajustado. O capitation é uma variação do sistema Fee-for-Service, ou pagamento por procedimento, já predominante na saúde suplementar brasileira.

Livre concorrência – No DF, a adoção do mecanismo concentrará o atendimento ao cliente SulAmérica em apenas cinco clínicas impondo ao usuário a necessidade de mudar de médico e de local de atendimento. Isso por que, ao designar apenas 5% dos atendimentos às demais prestadoras de serviços de saúde credenciados, a operadora reduz as oportunidades de assistência ao usuário. Para o CBO, essa é uma manobra clara de descredenciamento, disfarçada de legalidade, que coloca o cliente em situação de vulnerabilidade.

A reação da entidade contra a adoção do capitation e, consequentemente, o entrave à livre escolha do usuário de planos de saúde no DF, teve início em 15 de março. Juntos, CBO e SBrO denunciaram a SulAmerica Saúde ao CADE. Em audiência com o superintendente-Geral do órgão, Alexandre Cordeiro Macedo, a Assessoria Jurídica do CBO apontou à autarquia federal os riscos dessa prática à livre concorrência de mercado.

Na ocasião, o presidente SBrO, Francisco Porfírio, e representantes de várias clínicas oftalmológicas do DF, expuseram os diversos prejuízos a pacientes e médicos, assim como elementos comprovando a prática de abusos contra o direito do consumidor, já que o plano de saúde diminuirá consideravelmente a rede que foi contratada.

Os dirigentes reiteraram que o paciente terá à disposição uma cobertura assistencial cinco vezes menor, com reduzidas opções de escolha. “Além de os tratamentos em andamento serem descontinuados, a SulAmérica Saúde vai induzir a aglomeração em plena pandemia, pois 95% dos seus usuários terão de buscar apenas cinco clínicas em todo o DF”, acrescentou José Beniz Neto.

O superintendente-geral do CADE salientou a possibilidade de concessão de uma medida preventiva para suspender imediatamente esse abuso concorrencial, que interfere na livre concorrência entre os médicos e impõe prejuízos ao consumidor. O DF conta hoje com mais de 25 clínicas credenciadas, o que favorece o necessário distanciamento em uma melhor distribuição dos pacientes.


Deixe um comentário

Compartilhar artigo nas redes sociais

Outras publicações

DEPARTAMENTO JURÍDICO DO CBO SE REUNE VIRTUALMENTE COM O MP DO ESTADO DO ACRE PARA INSTRUMENTALIZAR AÇÕES PRÁTICAS VISANDO A EFICÁCIA DA ADPF 131 Informativos Jurídicos

DEPARTAMENTO JURÍDICO DO CBO SE REUNE VIRTUALMENTE COM O MP DO ESTADO DO ACRE PARA INSTRUMENTALIZAR AÇÕES PRÁTICAS VISANDO A EFICÁCIA DA ADPF 131

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA IMPEDIU QUE OPTOMETRISTAS PRATIQUEM ATOS PRIVATIVOS MÉDICOS Informativos Jurídicos

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA IMPEDIU QUE OPTOMETRISTAS PRATIQUEM ATOS PRIVATIVOS MÉDICOS

APÓS DENÚNCIA DO CBO E DO CRM DE TOCANTINS, EVENTO É SUSPENSO E OPTOMETRISTA É LEVADA PARA DELEGACIA Informativos Jurídicos

APÓS DENÚNCIA DO CBO E DO CRM DE TOCANTINS, EVENTO É SUSPENSO E OPTOMETRISTA É LEVADA PARA DELEGACIA

Você precisa estar logado para acessar essa página

FALE COM O CBO